Promover a Eficiência

Eficiência Energética na Indústria

Os resultados positivos obtidos na primeira edição do efinerg, que decorreu em 2011 e 2012 e contribuiu para promover a eficiência energética em cinco sectores industriais (metalomecânica, agroalimentar, têxtil e vestuário, cerâmica e vidro e madeira, mobiliário e cortiça), levaram a AEP a ativar uma segunda edição do projeto. Estão agora abrangidas as PME industriais com consumos anuais de energia superiores a 250 e inferiores a 500 tep (tonelada equivalente de petróleo) das regiões Norte, Centro e Alentejo e que operam em outros seis sectores, que são:

  1. Couro e dos produtos do couro;
  2. Equipamento elétrico;
  3. Pasta de papel, cartão e seus artigos;
  4. Artigos de borracha e matérias plásticas;
  5. Produtos químicos e de fibras sintéticas ou artificiais, exceto produtos farmacêuticos;
  6. Impressão e reprodução de suportes gravados.


Como Funciona
Image
Objetivos
  • Estimular práticas empresariais congruentes com o PNAEE (Plano Nacional de Ação para a Eficiência Energética), identificando soluções específicas à medida de cada sector;
  • Consciencializar o tecido industrial das vantagens do crescimento económico sustentável;
  • Promover padrões sustentáveis de produção;
  • Reforçar a competitividade das empresas pela ecoeficiência;
  • Motivar o capital humano das PME industriais para a cultura da eficiência energética.
Image
Atividades
  • Estudo da eficiência energética nos seis sectores considerados, através do diagnóstico a 75 empresas;
  • Levantamento do estado da arte no que respeita à eficiência energética, identificando casos de sucesso e promovendo o benchmarking sectorial com outros países europeus;
  • Produção e edição de um estudo sectorial(*) adequado às PME portuguesas, apontando oportunidades de melhoria, tendo em vista a adoção de estratégias, coletivas ou individuais, que promovam a eficiência energética;
  • Edição de um “guia de apoio” para a eficiência energética na indústria.
Image
Retorno
  • Incremento de competitividade;
  • Sustentabilidade como vantagem económica;
  • Capacitação industrial para a utilização eficiente dos recursos energéticos.

(*)O estudo será elaborado com o contributo de PME com consumos energéticos significativos e com potencial de melhoria competitiva, mediante a adoção de estratégias de eficiência energética.

Back to Top